Papo de Vinho
Noticias, Entrevistas, Informações, Opinião
Tudo sobre o mundo do vinho!

quinta-feira, outubro 22, 2020

Guia de Vinhos Adega Portugal




Eu gosto de guias. É sempre uma indicação para conhecer vinhos novos ou para saber se aquele vinho que está na prateleira, ou on line, é o que estamos procurando.

Melhor ainda quando confiamos em quem degustou.

Existe nos guias autorais e na própria assinatura de quem degustou uma parcela de gosto pessoal e outra parcela que deve ser cada vez maior de precisão analítica.

Ou seja, exemplo: o cara não gosta da uva Carménère, mas sabe analisar e dizer que aquele é um grande vinho.

As degustações da Adega tem ótimos degustadores e são sempre conduzidas pelo Eduardo Milan, e isso pra mim basta.

O Edu tem uma precisão e um conhecimento raro.

Foram avaliados mais de 500 vinhos e o Guia é o primeiro a ter QR Code ao lado das avaliações, para que o consumidor acesse facilmente o vinho no e-commerce.

O Guia está à venda no site da Seleção Adega e custa 75 reais.

Segue o link:

https://www.selecaoadega.com.br/products/guia-de-vinhos-adega-portugal-2020

terça-feira, outubro 20, 2020

Invino Wine Travel Summit já tem nova data



 

Dia 5 de Abril de 2021.  A pandemia não poupou ninguém e eu como organizador do Encontro de Vinhos, sei muito bem como é difícil essa situação de esperar sem saber até quando.

Felizmente as coisas estão voltando aos poucos e as notícias de hoje são infinitamente melhores do que as notícias de 6 meses atrás.

Eu estive na primeira edição do Invino Wine Travel Summit e gostei bastante, acho que o turismo com o vinho como foco é uma realidade que deve ser cuidada e valorizada.

Eu não conheço região vinícola que também não seja um destino turístico no mínimo maravilhoso.

Conheço diversas regiões, talvez muitas, e posso garantir que vale muito a pena.

A Invino Wine Travel Summit acontece dia 5 de Abril, no Hotel Unique, em São Paulo.

Realizado pela Cap Amazon Tropical Marketing, a segunda edição do evento vem com patrocinadores de peso, como o Grupo Air France-KLM, Chandom, Design By Bourgogne, World Wine, Giordani Turismo e Queijos da França.

A segunda edição vai ter a Sylvie Cazes, falando da Cité du Vin (veja o vídeo que fiz na Cité du Vin no link abaixo):

O Nicolas Kovalenko vai falar da Vinícola Garzon (veja vídeos que gravei na vinícola Garzón):










Quem conhece o Unique, sabe que o Chef que comanda com muita competência a gastronomia do hotel ee o Emmanuel Bassoleil.

Ele também vai apresentar suas experiências gastronômicas.

Eu também conversei com ele:


Como se precisasse de mais alguma coisa, ainda estão programadas degustações de vinhos da World Wine, queijos franceses, a presença de viticultores gaúchos falando sobre os vinhos produzidos no sul do Brasil, a rota do vinho de São Roque, produtores argentinos, chilenos e uma atração a parte é a fantástica Viña Vik, que acompanhei desde o nascimento até os dias de hoje.

Alguns vídeos que gravei por lá:






A Cap Amazon formou um time de peso para colaborar com a realização desse evento.

Carlos Cabral (responsável dos vinhos do Grupo Pão de Açúcar), Carlos Henrique Abatayguara (Presidente da Jet Set Turismo), Jean-Philipe Pérol (diretor da Invino e da Amazon Rio Negro Turismo) e a Solange Souza (Jornalista especializada em vinhos e gastronomia).



segunda-feira, outubro 19, 2020

Vivalti Sauvignon Blanc 2019 - Santa Catarina - Brasil

 


Elaborado na altitude (1310 metros), 

em São Joaquim Santa Catarina.

O interessante desse vinho é que ele representa 

a variedade (Sauvignon Blanc) com perfeição.

É exatamente o que se espera de um vinho 

feito com essa uva.

No nariz é cítrico. Notas de maracujá, 

carambola e grama cortada.

Na boca é seco, corpo ligeiro, excelente acidez 

e boa intensidade de sabor, repetindo as notas 

sentidas no nariz, com destaque para o maracujá.

É equilibrado e tem boa persistência.

Nota: 89


sexta-feira, outubro 16, 2020

Mirabilis Branco 2018 - Douro - Portugal





Mirabilis em latim significa surpreendente.

Com certeza esse branco do Douro surpreende.

É elaborado com uvas de vinhas velhas onde predominam as variedades Viosinho e Gouveio.

No nariz notas de banana, melão, pedra de isqueiro e baunilha.

Na boca é seco, crocante, tem ótima acidez e textura.

Sabor intenso repetindo as notas do nariz junto com um toque salino e amanteigado.

É longo, elegante e equilibrado.

É excelente.

Nota: 93



sexta-feira, outubro 09, 2020

Château Palmer fala sobre denúncias de maus-tratos contra trabalhadores espanhóis



 

A diretora de exportação do Château Palmer me enviou um e-mail com uma entrevista do diretor Thomas Duroux ao site Roux89 de Bordeaux.

Na entrevista o diretor nega as acusações dos espanhóis e diz que contratou os trabalhadores através de uma agência de empregos e que nem a agência e nem os responsáveis pela colheita confirmaram as acusações.

O diretor também disse, que não respondeu ao e-mail da jornalista espanhola, por ele estar na caixa de entrada do formulário de contato do site e ele não teve acesso a essa caixa durante a época da colheita.

Ele afirma que as acusações são anônimas, não são claras e que nas 17 anos de colheitas em que trabalha  no Château Palmer, nunca houve nenhum problema com os trabalhadores.

Sobre a falta de água mineral, ele afirma que a empresa comprou uma grande quantidade de garrafas que foram disponibilizadas diretamente aos trabalhadores.

Sobre a alimentação, os pratos foram suspensos por causa da pandemia, mas os trabalhadores receberam um adicional de 9 euros em cima do salário, que é 18% maior do que o salário mínimo da França.

Sobre os dormitórios, eles também foram suspensos, mas foram criados 50 espaços para camping, para os trabalhadores.

No final o diretor Thomas Dourou disse que não pretende processar a jornalista. Segundo ele o próprio artigo demonstra falta de credibilidade.

Segue o link com as explicações do diretor do Château Palmer:

https://rue89bordeaux.com/2020/10/le-chateau-palmer-nie-toute-maltraitance-envers-les-saisonniers-espagnols/

quarta-feira, outubro 07, 2020

Marchesi di Barolo 2015 - Piemonte - Itália





 

Se o Barolo é chamado de "O Rei dos Vinhos Italianos" deve ser por um ótimo motivo. Afinal, a Itália produz grandes vinhos e ser rei por lá não seria coisa muito fácil.

O Barolo tem a cor que lembra um Pinot Noir e uma potência de taninos incrível. É um vinho que envelhece muito bem e merece o apelido.

Esse é um dos tradicionais da região. Quando digo tradicional me refiro a estilo e a tradição de fato.

A tradição nesse caso do Barolo se divide entre os produtores que usam barricas francesas pequenas, que são chamados de modernos, e os que usam tonéis grandes (normalmente produzidos na Croácia, numa região chamada Slavonia, o que provoca confusão entre enófilos que confundem com Eslovênia, que não cultiva bosques de carvalho e nem produz barricas), chamados tradicionais.

A Marchesi di Barolo tem outros rótulos, inclusive divididos por uvas de sub-regiões, no caso deste rótulo a tradição é a bandeira.

No nariz você pode encontrar aromas de bosque, framboesa, amora, tabaco, canela e um toque floral.

Na boca é seco, taninos finos que não se escondem, boa acidez, sabor intenso e álcool um pouco saliente.

O final é persistente e o vinho é jovem.

Nota: 91 


segunda-feira, outubro 05, 2020

Trabalhadores espanhóis reclamam de maus-tratos na colheita do Château Palmer



O Château Palmer, um Grand Cru Classé de Margaux, está sendo acusado de maus tratos aos funcionários temporários da colheita.

A notícia saiu no Jornal Público, da Espanha.

Na reportagem de Alejandra de la Fuente, os trabalhadores espanhóis, a maioria da Andaluzia, reclamam que eram insultados, faltava água e as medidas de segurança não eram respeitadas.

Contaram que logo que chegaram foram avisados de que não receberiam nem alojamento e nem comida por conta do coronavirus.

Mesmo assim aceitaram ficar, mas a situação era ainda pior. Desde o primeiro dia, não receberam nem uma garrafa de água.

Uma trabalhadora contou ainda que eram insultados o tempo todo. Riam, chamavam de mortos de fome e até de filhos da Puta.

Um dos trabalhadores relatou que nem banheiro podiam usar e que faziam as necessidades entre as vinhas.

Quando o trabalho terminava, tinham 1 ducha para 120 pessoas.

A noite os trabalhadores dormiam onde conseguiam, em carros, barracas e até mesmo na rua.

As mulheres reclamaram inclusive de assédio sexual.

Todos os anos cerca de 14 mil espanhóis vão para a França trabalhar nas colheitas.

A reportagem do Jornal O Público tentou falar com o Château Palmer e não teve resposta.

Link da reportagem completa no Jornal Público:

https://www.publico.es/economia/temporeros-espanoles-vina-francia-denuncian-abusos-insultos-falta-alojamiento.html?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=publico&fbclid=IwAR2DXOh-Imune5qpTUNaRBah0CnTgcv02CqY72hXXdUDkGZZXXO6oEbRMgc



quarta-feira, setembro 30, 2020

Redoma 2014 - Douro



 

Eu sempre acredito que o bom produtor é um selo de qualidade. Do vinho mais barato ao mais caro, ele não se permite fazer um vinho que não seja bom, ou muito bom.

O Redoma é filho da Niepoort. Esse 2014 estava delicioso.

As uvas vem de vinhedos de mais de 70 anos, com castas misturadas: Tinta Amarela, Touriga Franca, Rufete, Tinta Roriz, Tinta Cão e outras.

No nariz cereja, ameixa, um toque floral e de pimenta.

Na boca é encorpado, os taninos são firmes, mas com textura fina e granulada. Uma parte do vinho foi vinificada com o engaço (a parte verde do cacho). Tem boa acidez, sabor intenso repetindo o olfato e excelente persistência.

Um super Vinho!

Nota: 94

Preço: de 450 a 530 (safra 2016) na Grand Cru https://www.grandcru.com.br/products/vinho-tinto-niepoort-douro-redoma-tinto-2016-750-ml

quarta-feira, setembro 23, 2020

Morreu Pierre Troisgros, o precursor da Nouvelle Cuisine. E eu tenho uma história pra contar.





Pierre Troisgros, tinha 92 anos. 

Era considerado um dos 3 grandes chefs da história da gastronomia, junto com Joël Rebouchon e Paul Bocuse (amigo de Pierre e ícone da Nouvelle Cuisine). 

Era o único vivo.

O restaurante Maison Troisgros, em Roane, tem 3 estrelas Michelin desde 1968 e já foi considerado o melhor restaurante do mundo.

Eu conversei com Pierre Troisgros e a conversa foi inesquecível por dois motivos.

Primeiro por estar diante dele. 

Em segundo lugar, porque a entrevista não foi gravada, talvez pela emoção.

Eu estava no Toques et Clochers, em Limoux.

O evento é composto por uma degustação de vinhos base de espumantes, um leilão das barricas que foram degustadas e um grande jantar de gala, com presença de chefs estrelados para provar pratos de chefs estrelados convidados.

Toda a renda vai para a restauração de uma torre medieval, das tantas que existem na região.

No ano em que fui, o Rio de Janeiro foi homenageado, e portanto, os chefs convidados eram: Claude Troisgros (filho do Pierre), Rolland Villard e Roberta Sudbrack. Uma brasileira e dois franceses com uma grande história no Brasil.

Conversei com o Claude Troisgros e perguntei se poderia entrevistar seu pai. Ele sempre gentil me respondeu que sim, mas desde que fosse em francês.

Topei na hora, era o que eu queria.

Liguei a câmera (será?), fiquei frente a frente com a história da gastronomia, respirei fundo e comecei.

Foram cerca de 10 minutos de encantamento. Cada palavra, sempre muito bem pronunciada, sempre dirigida com elegância, cada história... Parece que senti o gosto do Saumon à L'Oseille. Foi o primeiro prato que estampou o principal jornal da época com os dizeres: Nasceu a Nouvelle Cuisine... 

Era um senhor, sorridente e gentil.

Terminei a entrevista, agradeci profundamente e voltei para minha mesa. 

Quando liguei a câmera para ver o que tinha gravado, não tinha nada.

Algumas vezes acontece de achar que o REC está apertado e não está, mas não poderia ter sido desta vez.

Erro fatal. Imperdoável.

Não tive coragem de voltar, de perguntar tudo de novo, de incomodar...

Conversei com outro jornalista, um francês que estava na minha mesa, para saber se ele poderia fazer a entrevista e dividiríamos. 

Ele respondeu que o significado de Pierre era tão grande, que ele teria que refletir...

Medroso...

Logo depois ele me negou a ajuda.

Mais um pouco depois e vi com meus próprios olhos ele gravando com o celular, cara a cara com o grande Pierre...

Coisas da vida. 

Não era para ter sido gravado.

Abaixo a reportagem que fiz no Toques et Clochers, com a presença do Pierre.






sexta-feira, setembro 18, 2020

Foi um sucesso o lançamento do Guia Descorchados.




O Guia Descorchados 2020 fez um lançamento super organizado e super seguro.

As degustações começaram no horário marcado, terminaram no horário previsto e o uso dos recursos on line funcionou perfeitamente.

Aqui no Brasil estavam Christian Burgos (editor do Guia) e Eduardo Milan (um dos degustadores da equipe de Patricio Tapia).





Patricio, comentava os vinhos direto do Chile e chamava para participar o enólogo do vinho degustado, que poderia ser Brasil, Chile, Argentina ou Uruguai.

Tudo funcionou perfeitamente.

Distanciamento, máscara antes e após a degustação, álcool gel, lenço de papel, cuspideira individual...

Os vinhos muito bem escolhidos entre os destaques do Guia.



O Guia, que já é uma referência entre os vinhos da América do Sul, está maior, mais completo e mais obrigatório para o amante do vinho.

As degustações aconteceram de Segunda a Quarta desta semana. 

Na degustação que participei, esses foram os vinhos:




sábado, setembro 12, 2020

Barca Velha 2011 chega ao mercado português com muita expectativa.





O maior ícone de Portugal chegou ao mercado na semana passada. 

O enólogo Luis Sottomayor não poupou elogios ao vinho, que só é engarrafado em anos especiais.

Com frases como "Chegou o Leão" e "Único e Extraordinário", o enólogo apresentou o vinho na Quinta da Leda, de onde saem as uvas para a produção do vinho.

É o vigésimo Barca Velha da história, que começou no ano de 1952 criado pelo visionário Fernando Nicolau de Almeida.

Eu entrevistei o Luis Sottomayor sobre o ícone português.

Vale assistir:




sexta-feira, setembro 11, 2020

José Zuccardi Malbec 2014 - Mendoza

 


Houve um tempo em que o vinho Zuccardi Zeta era o grande vinho da Zuccardi. 

Com a construção da bodega Piedra Infinita e os vinhedos do Valle de Uco a todo vapor, o Zeta continuou excelente, mas ganhou companhia de outros vinhos modernos elaborados pelo Sebastián Zuccardi.

Sebastián recebeu o apoio incondicional do pai na construção cara e trabalhosa da nova bodega e nada melhor para homenagear um dos grandes visionários argentinos com o nome de um vinho.

José Zuccardi é a grande homenagem que José Alberto recebeu do filho. 

O vinho continua impecável como sempre foi o Zeta, agora produzido no Valle de Uco.

95% Malbec, 5% Cabernet Sauvignon. 

O vinho descansou em concreto e em tonéis grandes de carvalho.

A cor já entrega que é um vinho concentrado e encorpado. Cor rubi intensa, escura na borda e no centro.

No nariz notas de amora, alcaçuz, violeta...

Na boca é encorpado, taninos potentes com textura granulada fina, excelente.

É um vinho moderno, com boa acidez, tem potência mas não é pesado.

É longo e equilibrado.

Nota: 93

Importadora Grand Cru: 

https://www.grandcru.com.br/products/vinho-tinto-jose-zuccardi-malbec-2015-750-ml


quinta-feira, setembro 10, 2020

Cono Sur Bicicleta Pinot Noir Reserva 2018 - Chile





A Cono Sur tem uma longa história com a variedade Pinot Noir.

Foi nas terras da Cono Sur, no Fundo Chimbarongo, que foram plantadas as primeiras mudas de Pinot Noir, clone Pommard da França, em 1968. 

Chimbarongo significa Vale da Neblina no idioma Mapuche.

Esse é um Pinot Noir bem típico, com cor rubi clara, nariz bem frutado com notas de framboesa, morango e um toque defumado e de couro.

Na boca é macio, tem corpo médio e excelente acidez.

Os taninos são macios, granulados com excelente textura.

Boa intensidade de sabor com as notas sentidas no nariz se repetindo na boca e persistência média.

Passou 9 meses em barricas francesas.

Excelente relação qualidade/preço.

Nota: 88

Preço: cerca de 60 reais.

Importador: https://www.lapastina.com/produtos/vinhos/cono-sur-bicicleta-pinot-noir

Preço: 

Na gravação do documentário, Chile - Terroir, Personagens, Histórias, Vinhos... Visitei a Cono Sur e conversei com o enólogo Adolfo Hurtado.




quarta-feira, setembro 09, 2020

O bom e barato Romariz 2018 - Douro DOC - Portugal

 



Menos de 50 Reais?

Pode dar o troféu de melhor compra pra ele.

No nariz cereja, bergamota, violeta e um toque de cedro e tabaco.

É puro Douro!

Na boca tem corpo médio, sensação levemente adocicada no primeiro gole e boa textura.

Taninos macios, boa acidez e sabor intenso de frutas vermelhas principalmente.

Persistência média.

Corte com Tinta Roriz, Touriga Francesa, Touriga Nacional e Tinta Barroca.

Nota: 88

Preço? 47 reais no Makro.

Vale cada centavo!

terça-feira, setembro 08, 2020

Michele Carraro Edizione Limitada Tannat 2015 - Vale dos Vinhedos

 


Eu sempre achei muito difícil encontrar vinhos de pequenos produtores em São Paulo. 

Estranho, estamos no mesmo país. 

Esse chegou como amostra para eu provar e me surpreendeu, assim como o espumante também produzido por eles e que vou postar em outra ocasião.

Esse Tannat tem boa intensidade aromática, com as frutas negras, como amora e mirtilo aparecendo na frente, mas logo acompanhadas de um toque tostado e de baunilha.

Na boca tem corpo entre o médio e o encorpado, boa acidez e uma textura de taninos macia, muito agradável.

Bom equilíbrio e persistência média.

Nota: 89

https://www.michelecarraro.com.br/

quinta-feira, agosto 27, 2020

Anna's Way Sauvignon Blanc 2017 - Marlborough - Nova Zelândia

 


Gostei bastante desse vinho. Normalmente os vinhos da Nova Zelândia com a uva Sauvignon Blanc conseguem a medida certa entre a fruta e o toque vegetal típicos da variedade.

Esse tem o maracujá, um toque de manga e também as notas de aspargos e grama recém cortada.

Na boca tem corpo médio, ótima acidez, sabor intenso principalmente maracujá e boa persistência.

É um vinho equilibrado e fresco.

Importado pela Evino.

Nota: 89 

quinta-feira, agosto 20, 2020

Morreu Celso La Pastina. O mundo do vinho está triste.

 


Celso La Pastina tinha 61 anos e morreu por causa da Covid19.

Celso era o dono do Grupo La Pastina, importadora de vinhos e alimentos que também inclui a World Wine e a Enoteca Fasano.

A empresa foi fundada em 1947, pelo pai e se tornou uma das mais importantes do país.

Celso deixa a mulher e 4 filhos.

É importante as pessoas entenderem que a Covid é perigosa e que é preciso respeitar o que dizem os médicos e especialistas. 

Deixo aqui uma entrevista que fiz com o Celso em agosto de 2015, cheio de planos e valentia para enfrentar o sobe e desce da economia brasileira.


Foto: GoWhere

terça-feira, agosto 18, 2020

Maturana Wines 2011 - Chile



Esse vinho da D.O. Cachapoal Valley, do Chile, é um bom exemplo do que pode acontecer de bom com uma uva Carménère plantada no lugar certo e com o vinho elaborado com sabedoria.

O José Ignacio Maturana conhece do assunto e faz esse vinho de forma artesanal.

Tem 72% de Carménère e 28% de Cabernet Sauvignon.
No nariz eucalipto, cassis, cogumelo, tabaco e alcaçuz.
Na boca tem corpo entre o médio e o encorpado, boa acidez, taninos finos e macios.
O sabor é intenso com notas terciárias bem integradas com a fruta.
Cogumelo, defumado, tabaco e um toque terroso.
É equilibrado, longo...
Maduro. Pronto pra beber.
Super vinho!
A garrafa é numerada: 0674 das 3453 produzidas.
Nota: 93 pontos

segunda-feira, agosto 17, 2020

Monte Vide Eu 2016 - Bodega Bouza - Uruguai


 


Tempranillo, Tannat e Merlot. Um corte que só o novo mundo pode fazer. 

Outra curiosidade é o nome, dividindo o nome da capital uruguaia em 3, para mostrar uma possível explicação para o batismo de Montevideu. O contra rótulo explica: um marinheiro da expedição de Fernão de Magalhães, em março de 1920, escreveu no seu diário que avistou um monte que parecia um chapéu, a esse monte foi dado o nome de Monte Vi Eu, assinado por Francisco Albo, contramestre da expedição.

O vinho tem aquele estilo aristocrático que pode lembrar um grande Bordeaux principalmente pela potência e maciez dos taninos. Isso mesmo. É como soco com luva de algodão. 

No nariz amora, tabaco e baunilha.

Na boca é encorpado e os taninos dão o show à parte, que eu já escrevi acima. Tem boa acidez, sabor intenso com sabor frutado em perfeita harmonia com os sabores vindos da madeira, o álcool que no rótulo mostra incríveis 15% não sai do lugar e a persistência é alta. O sabor fica na boca por um bom tempo.

Um super vinho numa garrafa numerada 9469 das 12351 produzidas.



Um privilégio provar esse vinho!

Está bem jovem. Deve ficar ainda melhor nos próximos 10 anos.

Nota: 91

Preço: 350 reais.


sexta-feira, agosto 14, 2020

Lacrau Reserva 2015 - Douro

 

O rótulo já avisa que se trata de um Field Blend, um blend que antigamente era nos vinhedos, mas já faz algum tempo que muitos produtores do Douro plantam as uvas em lotes separados e reproduzem o corte na vinícola. Neste vinho tem Touriga Franca, Tinta Roriz, Tinta Barroca e Touriga Nacional.

Os vinhedos ficam na fantástica Quinta da Faísca, mostrada neste vídeo feito há menos de 1 ano:



O vinho tem muito boa intensidade aromática com notas de cereja, violeta e especiarias.

Na boca é encorpado, tem os taninos macios e boa acidez, em perfeito equilíbrio com os taninos.

Nada fora do lugar. 

Sabor intenso repetindo as notas sentidas no nariz e um belo final.

Nota: 91

Importador: www.mbbwine.com

quarta-feira, agosto 12, 2020

Testei 3 azeites extra virgem que custam menos de 20 reais

 


Testei 3 azeites que custam menos de 20 reais, no teste do congelamento. Deixei cerca de meia hora no congelador. 

O teste também pode ser feito em geladeira, a 3 graus. Se congelar é extra virgem, se não congelar, não é.


terça-feira, julho 28, 2020

Documentário - Portugal - A Geometria do Douro





Mais um documentário aproveitando entrevistas e imagens de 3 viagens em épocas diferentes para o Douro.
A vantagem de juntar 3 anos em 1 é a possibilidade de ouvir mais pessoas, abordar mais temas e aproveitar as imagens em momentos diferentes.
Portugal - A Geometria do Douro


sexta-feira, julho 24, 2020

Indicação de Procedência da Campanha Gaúcha é um passo importante.





O Brasil ainda tem regiões para serem descobertas. Outro dia, numa conversa com o grande Roberto Cipresso, ele me respondeu a uma pergunta sobre o motivo de ter aceitado trabalhar no Brasil, me perguntando como um país tão grande, com tanta diversidade, não pode fazer vinhos de qualidade?
Me perguntou também se eu tinha provado o Anima Gran Reserva (vinho que ele produziu para o Galvão Bueno). Claro que provei e aprovei. Impossível não reconhecer que é um grande vinho.
O Anima é um exemplo do que a Campanha Gaúcha pode fazer. Exemplo que pode ser tirado também da Guatambu, da Dunamis, dos vinhos da Miolo da Quinta do Seival, tantos outros...
Pra ser exato 18.
Essa semana eu participei de uma degustação dos vinhos da Campanha, on line é claro, conduzida com a classe de sempre pelo Diego Arrebola.
Provei seis vinhos que comprovaram a qualidade da região.
Embora um deles estivesse Bouchonné, o que não tem nada a ver com o trabalho da vinícola, e por sorte se tratava de um vinho que eu já conhecia e já reconhecia como um produtor de vinhos de qualidade.
Provei os vinhos da Cerros de Gaya, Bodega Sossego, Salton, Dunamis, Estância Paraizo e Bueno Wines.
Vou destacar dois, que estavam realmente muito bons.



O Bueno Wines Paralelo 31 Bellavista Estate 2016 estava delicioso.
É um corte de Cabernet Sauvignon, Merlot e Petit Verdot.
No nariz cravo, frutas negras frescas, tabaco, chocolate e especiarias.
Na boca é encorpado, tem os taninos potentes, mas com excelente textura.
Tudo bem equilibrado e boa persistência.
Nota: 90 pontos.




Outra excelente surpresa foi o Camilo Primeiro Syrah 2018, da Estância Paraizo.
É um Syrah, que se me servissem às cegas eu diria logo que era um vinho do Rhône.
Ele tem uma evolução um pouco mais avançada do que o normal, mas é elegante, equilibrado e consegue tirar da Syrah o que ela tem de melhor.
A cor não é intensa. É rubi clara e brilhante.
No nariz cereja, mirtilo, ameixa... Sempre maduras. Um toque tostado e defumado aparece também.
Na boca tem corpo médio, boa acidez e taninos bem finos, tudo em equilíbrio.
Tem apenas 12,5% de álcool, o que é ótimo.
Tem boa intensidade de sabor e boa persistência.
A produtora explicou que as mudas de Syrah deste vinho vieram da África do Sul.
Estilo francês.
Nota: 90 Pontos.

quinta-feira, julho 23, 2020

Saumur, Chinon... O Loire da Cabernet Franc, da Chenin e dos subterrâneos.




Mais um documentário fruto da quarentena. O tempo disponível para editar reportagens e juntar o que elas tinham de melhor, foi essencial.
Pilotei avião, entrei nas caves subterrâneas e mostrei o que existe de melhor no terroir de Saumur e Chinon.
Espero que goste!




terça-feira, julho 21, 2020

Catena Zapata foi a décima primeira colocada na lista The world's best vineyards




A lista não leva em conta apenas a qualidade do vinho, a recepção ao turista e a experiência proporcionada ao visitante são critérios necessários.
A Catena também foi eleita esse ano a marca mais admirada do mundo.
Visitei algumas vezes a Bodega Catena, sempre muito bem recebido, informações claras sobre cada etapa da visita e gentileza.
Aqui estão alguns vídeos que mostram essas visitas.
Começo contando o pioneirismo da família.





No segundo vídeo, a belíssima sala de barricas e mais histórias fantásticas.





No terceiro vídeo, a história de um rótulo cheio de significados.





No quarto vídeo uma conversa com Alejandro Vigil.
Exclusiva, como deve ser.





No quinto vídeo conversei com a Laura Catena, que encontrou um espaço na agenda para me sentir honrado.





No sexto vídeo, um documentário com visitas turísticas em uma das regiões mais bonitas do planeta.





Para terminar, o documentário que procura debater a importância da Malbec no vinho argentino.





Veja a lista das 20 melhores, com as vinícolas que mostrei aqui durante a semana, indicadas em negrito.

The world's best vineyards


1. Zuccardi Valle de Uco (Argentina) *Best in South America*
2. Bodega Garzón (Uruguay)

3. Domäne Wachau (Austria)
4. Montes (Chile)
5. Robert Mondavi Winery (California) *Best in North America*
6. Marqués de Riscal (Spain)
7. Château Smith Haut Lafitte (France)
8. Quinta do Crasto (Portugal)

9. Antinori nel Chianti Classico (Italy)
10. Viña Vik (Chile)
11. Catena Zapata (Argentina)
12. Schloss Johannisburg (Germany)
13. Rippon (New Zealand) *Best in Australasia*
14. Delaire Graff Estate (South Africa) *Best in Africa* *Highest climber*
15. Weingut Dr. Loosen (Germany)
16. Ridge Vineyards, Monte Bello (United States) *Highest new entry*
17. Craggy Range (New Zealand)
18. Gonzalez Byass -- Bodegas Tio Pepe (Spain)
19. Château Pichon Baron (France)
20. Opus One Winery (California)




segunda-feira, julho 20, 2020

A Viña Vik também ficou entre as melhores do mundo para o turista visitar





A lista da The world's best vineyards não leva em conta apenas a qualidade do vinho. Vale o que é oferecido para o turista. Visitei a Viña Vik algumas vezes, desde quando não havia nada para o turista, até os dias de hoje.
No vídeo da primeira visita, em 2012, o hotel ainda não existia, só haviam alguns quartos para poucos turistas.






Já em 2017, tudo já estava do mesmo jeito que está hoje, e falamos sobre os vinhedos. 





No segundo vídeo de 2017, falamos da vinícola da Viña Holística Vik.






Ainda em 2017, um clipe com imagens do fantástico Hotel Vik.





Para terminar, o documentário Chile - Terroir, Personagens, Histórias, Vinhos... 






Segue a lista completa das vinícolas. Amanhã mostro a Viña Vik.



Veja a lista das 20 melhores:

The world's best vineyards
1. Zuccardi Valle de Uco (Argentina) *Best in South America*
2. Bodega Garzón (Uruguay)
3. Domäne Wachau (Austria)
4. Montes (Chile)
5. Robert Mondavi Winery (California) *Best in North America*
6. Marqués de Riscal (Spain)
7. Château Smith Haut Lafitte (France)
8. Quinta do Crasto (Portugal)
9. Antinori nel Chianti Classico (Italy)
10. Viña Vik (Chile)
11. Catena Zapata (Argentina)
12. Schloss Johannisburg (Germany)
13. Rippon (New Zealand) *Best in Australasia*
14. Delaire Graff Estate (South Africa) *Best in Africa* *Highest climber*
15. Weingut Dr. Loosen (Germany)
16. Ridge Vineyards, Monte Bello (United States) *Highest new entry*
17. Craggy Range (New Zealand)
18. Gonzalez Byass -- Bodegas Tio Pepe (Spain)
19. Château Pichon Baron (France)
20. Opus One Winery (California)

sexta-feira, julho 17, 2020

A Quinta do Crasto ficou em oitavo lugar entre as melhores vinícolas para visitar


A Quinta do Crasto é tão especial, que fiz uma série de vídeos por lá.
Muita justiça estar nessa lista.
O Douro é talvez a região vinícola mais bonita, declarada patrimônio da humanidade pela UNESCO e a Quinta do Crasto soube aproveitar bem a localização para construir um ambiente fantástico.





Na segunda parte, o marco Pombalino dentro da propriedade.





No terceiro vídeo, mostro o Field Blend nas caixas.




Na quarta parte o Tomás Roquette brinca com fogo.





Na parte 5, a vinha Maria Teresa e a vinificação.





Na sexta parte, as barricas.





Na parte 7 subimos a encosta do Douro.





Na última parte música folclórica e paisagem incrível.





Segue a lista completa das vinícolas. Amanhã mostro a Viña Vik.

The world's best vineyards
1. Zuccardi Valle de Uco (Argentina) *Best in South America*
2. Bodega Garzón (Uruguay)
3. Domäne Wachau (Austria)
4. Montes (Chile)
5. Robert Mondavi Winery (California) *Best in North America*
6. Marqués de Riscal (Spain)
7. Château Smith Haut Lafitte (France)
8. Quinta do Crasto (Portugal)
9. Antinori nel Chianti Classico (Italy)
10. Viña Vik (Chile)
11. Catena Zapata (Argentina)
12. Schloss Johannisburg (Germany)
13. Rippon (New Zealand) *Best in Australasia*
14. Delaire Graff Estate (South Africa) *Best in Africa* *Highest climber*
15. Weingut Dr. Loosen (Germany)
16. Ridge Vineyards, Monte Bello (United States) *Highest new entry*
17. Craggy Range (New Zealand)
18. Gonzalez Byass -- Bodegas Tio Pepe (Spain)
19. Château Pichon Baron (France)
20. Opus One Winery (California)

quinta-feira, julho 16, 2020

O Château Smith Haut-Lafitte ficou em sétimo lugar entre as melhores vinícolas do mundo





A lista da The world's best vineyards faz qualquer um sonhar. 
O turismo de vinho cresce ano a ano e já virou um negócio gigante que leva dinheiro para todas as regiões de vinho do planeta.
Estou mostrando a cada dia as vinícolas que conheço e fiz alguma reportagem em vídeo.
Hoje mostro o Smith Haut-Lafitte e o hotel e Spa Les Sources de Caudalie.





Segue a lista completa. 
Amanhã mostro a Quinta do Crasto.

The world's best vineyards
1. Zuccardi Valle de Uco (Argentina) *Best in South America*
2. Bodega Garzón (Uruguay)
3. Domäne Wachau (Austria)
4. Montes (Chile)
5. Robert Mondavi Winery (California) *Best in North America*
6. Marqués de Riscal (Spain)
7. Château Smith Haut Lafitte (France)
8. Quinta do Crasto (Portugal)
9. Antinori nel Chianti Classico (Italy)
10. Viña Vik (Chile)
11. Catena Zapata (Argentina)
12. Schloss Johannisburg (Germany)
13. Rippon (New Zealand) *Best in Australasia*
14. Delaire Graff Estate (South Africa) *Best in Africa* *Highest climber*
15. Weingut Dr. Loosen (Germany)
16. Ridge Vineyards, Monte Bello (United States) *Highest new entry*
17. Craggy Range (New Zealand)
18. Gonzalez Byass -- Bodegas Tio Pepe (Spain)
19. Château Pichon Baron (France)
20. Opus One Winery (California)

quarta-feira, julho 15, 2020

A Bodega Garzón ficou em segundo na lista The World's Best Vineyards




A The World's Best Vineyards, não leva em conta apenas a qualidade do vinho. 
A escolha é feita levando em conta as instalações voltadas ao turismo e a qualidade na recepção do visitante.
Ontem mostrei a reportagem que fiz na Bodega Piedra Infinita, da Zuccardi, em Valle de Uco.
Vou mostrar aqui, as bodegas que conheço e que estão na lista. 
Hoje é dia da Garzón. Vou postar os vídeos das duas vezes que visitei:



A cozinha de Francis Malmann deve ter feito muita diferença na escolha:




Os vinhedos:



A Bodega:



Documentário completo, Enoturismo Uruguay:




Veja a lista completa e os que vou mostrar em vídeos em negrito:

The world's best vineyards
1. Zuccardi Valle de Uco (Argentina) *Best in South America*
2. Bodega Garzón (Uruguay)
3. Domäne Wachau (Austria)
4. Montes (Chile)
5. Robert Mondavi Winery (California) *Best in North America*
6. Marqués de Riscal (Spain)
7. Château Smith Haut Lafitte (France)
8. Quinta do Crasto (Portugal)
9. Antinori nel Chianti Classico (Italy)
10. Viña Vik (Chile)
11. Catena Zapata (Argentina)
12. Schloss Johannisburg (Germany)
13. Rippon (New Zealand) *Best in Australasia*
14. Delaire Graff Estate (South Africa) *Best in Africa* *Highest climber*
15. Weingut Dr. Loosen (Germany)
16. Ridge Vineyards, Monte Bello (United States) *Highest new entry*
17. Craggy Range (New Zealand)
18. Gonzalez Byass -- Bodegas Tio Pepe (Spain)
19. Château Pichon Baron (France)
20. Opus One Winery (California)

terça-feira, julho 14, 2020

Pelo segundo ano consecutivo a Bodega Zuccardi Piedra Infinita é eleita a melhor do mundo





A The World's Best Vineyards, não leva em conta apenas a qualidade do vinho. A escolha é feita levando em conta as instalações voltadas ao turismo e a qualidade na recepção do visitante.
É o segundo ano que a Zuccardi do Valle de Uco ganha o prêmio.
Merecido.
Veja a lista completa:

The world's best vineyards
1. Zuccardi Valle de Uco (Argentina) *Best in South America*
2. Bodega Garzón (Uruguay)
3. Domäne Wachau (Austria)
4. Montes (Chile)
5. Robert Mondavi Winery (California) *Best in North America*
6. Marqués de Riscal (Spain)
7. Château Smith Haut Lafitte (France)
8. Quinta do Crasto (Portugal)
9. Antinori nel Chianti Classico (Italy)
10. Viña Vik (Chile)
11. Catena Zapata (Argentina)
12. Schloss Johannisburg (Germany)
13. Rippon (New Zealand) *Best in Australasia*
14. Delaire Graff Estate (South Africa) *Best in Africa* *Highest climber*
15. Weingut Dr. Loosen (Germany)
16. Ridge Vineyards, Monte Bello (United States) *Highest new entry*
17. Craggy Range (New Zealand)
18. Gonzalez Byass -- Bodegas Tio Pepe (Spain)
19. Château Pichon Baron (France)
20. Opus One Winery (California)

Visitei a bodega Zuccardi em diferentes oportunidades, numa delas, especialmente destacando o turismo.
Sempre com a câmera na mão, é claro.
Assista esses dois vídeos e já terá uma ideia do motivo do bicampeonato.






No documentário Argentina Muito+que Malbec, gravado em 2016, mostrei a vinícola recém inaugurada, ainda sem o restaurante e as instalações para os turistas.
Vale a pena assistir.




No documentário Enoturismo Mendoza, mostrei também a Catena Zapata, que foi classificada em décimo primeiro lugar entre grandes bodegas do mundo.





No canal do youtube www.youtube.com/betoduarte ainda é possível encontrar outras reportagens sobre as vinícolas que contam na lista, como a bodega Garzón, 7. Château Smith Haut Lafitte,
Quinta do Crasto e Viña Vik.

 
Design by Wordpress Theme | Bloggerized by Free Blogger Templates | hospedagem ilimitada gratis