Noticias, Entrevistas, Informações, Opinião
Tudo sobre o mundo do vinho!

quinta-feira, setembro 21, 2017

Enoturismo - Quinta do Ameal - Travel - Portugal





Além do vinho excelente, a Qinta do Ameal, em Ponte de Lima, é uma ótima opção para enoturismo.


quarta-feira, setembro 20, 2017

Quinta do Ameal - Pedro Araújo critica a promoção dos Vinhos Verdes - Pa...





Na terceira parte da entrevista com o dono da Quinta do Ameal, ele critica a promoção dos Vinhos Verdes e fala do terroir do Meal.


terça-feira, setembro 19, 2017

Produzir vinhos de qualidade superior é o assunto - Pedro Araújo (Quinta do Ameal) - Parte 2




Produzir vinhos de qualidade numa região com esse potencial é uma escolha e uma busca constante baseada em experiências e ensaios que custam tempo e dinheiro. A busca pela qualidade é significa também muito mais trabalho, mais investimento e retorno mais lento. É sobre isso que falamos com o Pedro na segunda parte da entrevista. Com ajuda do meu amigo Pedro Mello e Souza do Jornal "O Globo".



segunda-feira, setembro 18, 2017

Quinta do Ameal - Pedro Araújo - Parte 1






O Pedro Araújo é desses caras que torcem para que a concorrência fique mais forte. Ele produz vinhos excelentes na região de Vinhos Verdes com a variedade Loureiro.
Pedro conhece bem os grandes vinhos do mundo, por isso e pelas características da região de Ponte de Lima, faz alguns dos grandes brancos portugueses.
Elegantes e longevos.


segunda-feira, setembro 11, 2017

Secret Spot 2004 - Secret Spot Wines - Douro - Portugal







Um vinho de 13 anos que se não fosse o rótulo eu não saberia a idade que tem.
A cor tem um pequeno reflexo de evolução, de resto é rubi, profundo.
No nariz tem boa intensidade aromática com as notas de cereja em compota, violeta, tâmara, tabaco, cacau...
Na boca é encorpado, suculento. Os taninos ainda bem presentes, com textura granulada e macia.
A acidez é vibrante e dá um frescor que poderia ser improvável para um vinho de 13 anos.
Sabor intenso confirmando as notas detectadas no nariz e um final longo com um toque de café.
Vinho bem equilibrado, com tudo no lugar. Tem 13,5% de álcool.
Potente e elegante.
Passou por estágio em barricas francesas e o blend é o do campo, com as uvas plantadas misturadas e fermentadas juntas como manda a tradição do Douro.
Quem tiver a sorte de ter um 2004 em casa pode abrir já ou esperar com tranquilidade por mais 5 anos, ou se preferir um vinho mais evoluído, esse é o cara para esquecer na adega...
Nota: 93


quarta-feira, setembro 06, 2017

Luca Chardonnay 2013 - Laura Catena - Mendoza - Argentina




O vinho passou 1 ano em barricas de carvalho francês novas e usadas.
No nariz já se percebe que se trata de um Chardonnay fora de série.
Tem boa intensidade aromática com notas de damasco e torta de limão e um toque floral.
Na boca é um vinho cremoso, com corpo, sabor intenso com um toque mineral, além das notas sentidas no nariz e boa acidez. 
Equilibrado, delicioso, longo.

Nota: 92
Importadora: https://www.vinci.com.br/

Conversei com a enóloga da Luca Wines, Estela Perinetti, que me falou sobre a produção deste Chardonnay.


terça-feira, setembro 05, 2017

Ladrões passam pelas catacumbas de Paris para roubar 300 garrafas de vinhos raros.





Foi na noite de 28 para 29 de Agosto.
Os ladrões roubaram 300 garrafas, avaliadas em 250 mil euros e usaram como rota de fuga, as catacumbas de Paris.
Os vinhos estavam numa residência particular perto do Jardim de Luxemburgo.
A policia ainda não encontrou os ladrões.
As catacumbas são antigas galerias subterrâneas a 20 metros de profundidade onde estão ossadas de 6 milhões de parisienses transferidas para lá no final do século 18, quando alguns cemitérios foram desativados.
Existe um circuito oficial de 2 quilômetros que podem ser visitadas, mas que representam uma parte minúscula do subterrâneo.
Apesar de ter acesso proibido, pessoas organizam festas, entrando por lugares alternativos em diversos bairros da cidade.
Tipo festa estranha com gente esquisita.
Fonte: Revue du Vin de France.

segunda-feira, setembro 04, 2017

Algumas fotos do Encontro de Vinhos Maceió






O Encontro de Vinhos aconteceu pela primeira vez em Maceió, no último sábado, dia 2, no Hotel Best Western Premier.













quinta-feira, agosto 31, 2017

Luigi Bosca - Conversa com Alberto Arizu






Uma conversa rápida com Alberto Arizu, dono da Luigi Bosca, um dos vinhos mais vendidos do mercado brasileiro.


quarta-feira, agosto 30, 2017

Colheita de uva na França é a menor desde 1945





O ano foi bem difícil.
Granizo, seca, tudo no mesmo ano.
O que conforta é que a qualidade das uvas colhidas foi excelente, fazendo com que os vinhos ganhem valor quase o que vão perder na quantidade.
A produção total de 2017 deve chegar a 37,2 milhões de hectolitros, 18% menos que 2016 e 17% menos do que a média dos 5 últimos anos, segundo o ministério da agricultura da França.
As regiões mais afetadas pelo granizo e pela seca, foram Bordeaux, Alsace e Jura, embora a Borgonha, o Languedoc e outras regiões do sul também tenham sofrido ou com o granizo ou com a seca.
A ilustração da Agência France-Presse mostra os números das últimas colheitas.

terça-feira, agosto 29, 2017

Baixa de consumo de bebidas alcoólicas na França é a maior desde 2007






O estudo é de uma espécie de associação das indústrias do país e envolve todas as bebidas alcoólicas.
Segundo a pesquisa, com base no ano de 2016, o consumo de vinho, cerveja e destilados, caiu 1,8 litros por pessoa (caiu quase o consumo de vinho per capita do Brasil).
Mesmo assim, o consumo dessas bebidas somadas, chega a 70,7 litros por pessoa por ano.
Em 2015 os franceses bebiam 72,5 litros por ano e em 2014 73,2, o assustador é comparar com 2007, há 10 anos, os franceses consumiam 80,7 litros por ano por pessoa.
Uma baixa de 10 litros.
A frequência de consumo também entra na pesquisa. 18% consomem bebidas alcoólicas 1 vez por semana ou nunca, os consumidores diários são 9%.
O valor gasto em bebidas alcoólicas, não teve alteração, ou seja, se bebe menos, mas melhor...

quinta-feira, agosto 24, 2017

A Decanter comemorou 20 anos e eu conversei com o Adolar Hermann.





Quem vê o catálogo de vinhos da Decanter, não imagina que a importadora tem apenas 20 anos.
Eu conversei com o Adolar Hermann, dono da importadora e com o seu primeiro fornecedor, o dono da vinícola Luigi Bosca, da Argentina.


 

quarta-feira, agosto 23, 2017

Como se produz um Jamon de Bellota Pata Negra.






Veja que legal esse vídeo que achei da SerranoCultura publicado pelo El Pimiento.
A produção do famoso pata negra.


terça-feira, agosto 22, 2017

Uma volta por Sintra, Portugal







Sintra é um dos destinos mais interessantes para quem está em Lisboa. O trajeto Lisboa Sintra leva 30 minutos de carro ou 50 minutos de comboio (trem). Veja algumas imagens das ruas, e se for até lá visite também o Palácio do Pena.


 



segunda-feira, agosto 21, 2017

O criador de Star Wars e Indiana Jones comprou um Château na Provence






O americano George Lucas já produz vinhos na Itália e na California (desde 1991), incentivado pelo amigo desde antes da fama, Francis Ford Coppola.




A novidade tem o nome de Château Margüi, em Châteauvert, no departamento de Var.
Provence. Pura Provence.
O valor da compra como sempre não foi revelado, mas foi comentado. 9,5 milhões de euros.
Estima-se que o investimento total, na modernização do Château, chegue a 15 milhões de euros, incluindo um pequeno hotel que será construído na propriedade.
O Château Margüi tem mais de 100 hectares, sendo 15 hectares na AOC côteaux-varois-en-provence.
A empresa vinícola de George Lucas se chama Skywalker Vineyards.

quarta-feira, agosto 16, 2017

Bilionário, dono da La Roche, compra vinícola na Borgonha.






O Domaine Jayer Gilles, que fica em Magny-lès-Villers, bem ao lado de Ladoix-Serrigny e Aloxe Corton, não resistiu ao ataque do milionário André Hoffmann e vendeu sua propriedade com cerca de 10 hectares de vinhedos (isso para a Borgonha é um ótimo tamanho).
Gilles Jayer-Gilles estava no comando da propriedade desde 1982 e passará o bastão para dois jovens vinhateiros: Julien Gros, do Domaine Christian Gros, que trabalhou no Château de Beaucastel (Rhône) e no Miraval, (Provence); e Alexandre Vernet, dos Domaines Gilbert et Philippe Germain (Pommard - Borgonha) e Manuel Olive (Loire).
O comprador está na décima quinta posição na lista das famílias mais ricas da Europa.
Com uma fortuna de 23 bilhões de euros, a família Hoffmann controla o laboratório farmacêutico Hoffmann-La-Roche.
A boa notícia é que André Hoffmann é um ecologista, amante da natureza e especialista em pássaros selvagens. Ele é também, vice-presidente da WWF (fundo mundial para a natureza).
Com a compra, ele pretende ajudar a conservar a natureza da Borgonha e seguir engarrafando vinhos das AOCs (Appellation d'Origine Controlée - Denominação de Origem Controlada) em Nuits-Saint-Georges Les Hauts Poirêts, Nuits-Saint-Georges Première Cru Les Damodes e Grand Cru Echezeaux.

terça-feira, agosto 15, 2017

Empresa francesa vende rolhas de cortiça livres de TCA (bouchonné)






Essa rolha que mais parece as rolhas simples e baratas feitas com cortiça aglomerada não é o que parece.
É uma rolha Diam, elaborada com o método chamado diamante, que elimina o risco de encontrar uma rolha com defeito que passe aromas indesejáveis ao vinho.
A empresa já existe há mais de 10 anos e já conquistou uma fatia importante do mercado.
Além de usar a cortiça, que ecologicamente é corretíssima, a empresa ainda eliminou o risco de TCA na rolha.
Toda a rolha produzida pela empresa vem com o nome diam gravado, o que garante que o produto não é o aglomerado comum.
Existem rolhas diam para vinhos de consumo mais rápido e rolhas mais altas, para vinhos de guarda.
A empresa espera liderar o mercado em mais 10 anos.
Hoje a Diam tem cerca de 1000 clientes e já é responsável por 27% do mercado francês, 21% do Italiano e 16% do mercado dos Estados Unidos.
Produtores de 55 países já utilizam a rolha livre do TCA (Trichloroanisol, substância que provoca o Bouchonné, que estraga o vinho).
Veja um dos vídeos da empresa que produz as rolhas.



segunda-feira, agosto 14, 2017

Turismo no Chile - Valle Nevado





O Chile é um país fantástico.Além do enoturismo, que cresce a cada dia, com vinícolas que oferecem hotéis e restaurantes, o país tem uma diversidade de destinos turísticos impressionante.
O deserto do Atacama, a moderna Santiago e as estações de esqui.
Gostei bastante de Valle Nevado.
Veja o vídeo:



sexta-feira, agosto 11, 2017

O barato do dia! Concha y Toro Reservado Carménère 2015 - Valle Central - Chile






Provei o vinho às cegas, e confesso que tenho antipatia pelo nome Reservado que não significa nada em termos de classificação de qualidade e induz o iniciante a comprar o vinho imaginando que esse termo dá alguma garantia de qualidade ao vinho. Não dá.
Mas o vinho às cegas surpreende pela relação preço qualidade.
Eu sempre acredito que para se comprar um vinho barato é melhor procurar um vinho barato de um grande produtor. ele tem mais uvas, uma equipe de enólogos que pode cuidar de cada rótulo de forma individual e a chance de encontrar algum defeito é muito menor.
E o vinho é isso. Sem defeitos e com algumas qualidades.
É elaborado com uvas do Valle Central (Chile).
No nariz tem boa intensidade aromática, com notas de frutas vermelhas e pimentão verde.
O toque vegetal é uma característica da Carménère e eu também não acho que deve ser escondido, deve ser controlado. E assim é neste vinho.
Na boca tem os taninos macios, boa acidez, nenhuma sensação desagradável de álcool ou de amargor e um sabor que mistura frutas vermelhas e um toque floral.
A persistência é boa entre média e média+.
Vinho jovem para abrir agora. A não ser que o tempo dê outra surpresa como o vinho às cegas me deu.
Nota: 89
Preço: entre 25 e 30 reais (incrível).
Só pra repetir.
Como diria o Tadeu Schimidt, sabe o que significa o termo reservado? Nada.

quinta-feira, agosto 10, 2017

A uva rara César apareceu no evento do Wines of Chile







É legal quando uma variedade esquecida, que não se desenvolveu nem no seu país de origem, aparece no novo mundo.
A César, também chamada de Romain, é uma variedade da Borgonha, mais precisamente de Irancy (Yonne), onde aparece principalmente em cortes com a Pinot Noir.
Cortes que muitas vezes já estão nas parcelas, e o viticultor apenas colhe e vinifica junto com a Pinot seguindo o que as gerações anteriores faziam.
O nome da uva vem do nome do imperador romano, já que a variedade apareceu na borgonha, durante o domínio romano na Gália (nome romano do território francês).



Nos dias de hoje, alguns produtores de Saint-Bris-le-Vineux também produzem vinhos com a César sob a AOC Bourgogne Côte d'Auxerre.
É uma variedade rústica, com taninos duros e difícil como varietal.



O Sucesor Romano 2015, vinho apresentado no Wines of Chile, ontem em São Paulo, tinha boa intensidade aromática no nariz, tinha boa fruta também na boca, acidez correta, os taninos duros e rústicos, o que não impede que o vinho seja bem harmonizado com uma carne vermelha mais gordurosa.
A gordura e o tanino se dão muito bem.
Tinha boa persistência e acredito que possa envelhecer bem e evoluir pelos próximos 5 anos.
Tem 15% de Carignan no corte.
Vale lembrar que a Cepa País (Listan Prieto), que no início era bastante criticada, hoje dá bons vinhos.
Em análises de DNA, chegou-se a conclusão de que a César é um cruzamento natural da Pinot Noir e da Argant (também rara).
Interessante é saber como essa variedade chegou ao Chile.
O Felipe Ortiz, que vinificou o primeiro César (Romano) varietal do Chile, me falou sobre o desenvolvimento da variedade no país.



quarta-feira, agosto 09, 2017

Uma volta pelo centro de Madrid e os tapas do Mercado San Miguel





Madrid é sempre uma festa.
Andar pela Puerta del Sol, onde desde 1950 está o marco zero da cidade, é certeza de movimento.
Muita gente nas ruas e muitas atrações.
O Mercado San Miguel tem uma infinidade de tapas que podem muito bem se transformar num almoço farto e variado.
Veja o vídeo:


terça-feira, agosto 08, 2017

Quem pretende fazer enoturismo em Alentejo deve passar por Évora.





Évora é daquelas cidades que reúne paisagens maravilhosas, monumentos históricos de tirar o fôlego, gastronomia impecável e vinhos excelentes.
Veja o vídeo com algumas imagens.



segunda-feira, agosto 07, 2017

A rota dos vinhos do Alentejo tem um show room com degustação de vinhos em Évora.






Tem informações sobre os solos, sub-regiões, variedades e até degustação de vinhos. Tudo de graça.
Segue o endereço para quem for para Évora: Praça Joaquim António de Aguiar 20, Évora, Portugal.
Veja a reportagem:



sexta-feira, agosto 04, 2017

Direto da Estremadura, o pessoal da Nico y Jimenez mostra como se corta um jamon pata negra de bellota.





O bellota é o porco que se alimenta apenas do fruto do sobreiro (árvore de onde se retira a cortiça) ou o fruto da azinheira, que é uma espécie de castanha, muito parecida com o avelã.




Apesar de ser uma fruta muito gordurosa, ela estimula o colesterol bom do animal, por ser uma gordura vegetal saudável. Os porcos vivem soltos e podem comer até 12 quilos de bellota por dia.
A Estremadura (ou extremadura em espanhol) é o berço desses porcos e do Jamon Ibérico de Bellota, um tipo de presunto parma, feito com o pernil traseiro desses porcos.




O Nico y Jimenez é um campeão na arte do corte do jamon. Tem 3 recordes no Guinness Book e uma rede de lojas, obviamente de jamon.
Visitamos a Nico Y Jimenez para saber como se corta o jamon.
Veja a reportagem:



quinta-feira, agosto 03, 2017

Chinês pagou mais de 8 mil euros por uma dose de whisky Macallan de 1878






Vez ou outra aparece uma notícia com números absurdos envolvendo principalmente o vinho.
Dessa vez uma garrafa de Whisky Macallan 1878 é a estrela.
O chinês que estava de férias na estação de esqui de Saint-Moritz (não teve o nome divulgado, mas aparece na foto com o gerente do hotel), foi ao bar do Waldhaus Hotel e pagou 9 mil 999 francos suíços por uma dose do Macallan 1878.
O hotel é famoso por vender raridades. Tem na carta 2500 rótulos.
Esse whisky foi conservado 27 anos em barrica e engarrafado em 1905.
A garrafa foi aberta para o cliente e custava inteira 43 mil 670 euros.
O gerente do hotel, Sandro Bernasconi, acredita que precisa vender mais 3 ou 5 doses para pagar o valor da garrafa inteira.
A garrafa aberta perde valor e o whisky perde qualidade, mesmo assim, deve durar entre 5 a 10 anos.
Alguém se habilita a provar a próxima dose?


sexta-feira, julho 28, 2017

Château Troplong-Mondot vendido ara o Grupo Scor.






A família Valette-Pariente, passou o controle do Châtau Troplong-Mondot, Premier Grand Cru Classé B de Saint-Emilion para o Grupo Scor.
O Troplong-Mondot tem 33 hectares, sendo 29 de vinhedos, é uma das maiores propriedades de Saint-Emilion.
A produção do Château é de 100 mil garrafas por ano.
O Château tem ainda quartos de hotel e restaurante estrelado no guia Michelin. Tudo incluído na venda.
O valor da venda não foi divulgado.
O Château foi fundado no século 18 pela família Sèze, passou para a família Troplong no século 19 e em 1934 a familia Valette comprou a propriedade.
Nas mãos de Christine Valette-Pariente, o vinho da safra 1990, recebeu 98 pontos de Robert Parker.
Christine morreu em 2014.

quinta-feira, julho 27, 2017

O Barato do dia! - Salton Paradoxo Pinot Noir 2015 - Serra Gaúcha - Brasil






Imagina você encarando uma degustação às cegas, com Pinot's da Alemanha, da Borgonha, da Argentina, do Chile, do Uruguai...
Todos acima ou bem acima dos 50 reais.
Menos este.
Esse vinho de 35 reais, que passou um ano em barrica francesa, ficou em quinto lugar na avaliação da Confraria Dimenticaia, ontem no Clube Athletico Paulistano, em São Paulo.
E olha que só tinha gente experiente na prova.
Na minha avaliação pessoal, o vinho ficou em sétimo, o que é excelente entre vinhos mais caros e de regiões mais badaladas.
Vinho com a coloração típica da Pinot Noir, boa intensidade aromática, com notas de framboesa, morango e um toque de couro.
Na boca ele se saiu ainda melhor, com corpo médio, muito bom equilíbrio, taninos macios e ótima acidez.
Tem boa intensidade de sabor, com as notas sentidas no nariz se repetindo na boca.
Um vinho para beber agora, embora o envelhecimento seja sempre uma surpresa.
Boa persistência.
Nota; 88
Preço (Excelente): 35 reais.


A post shared by Beto Duarte (@betoduarte66) on

quarta-feira, julho 26, 2017

Os donos da Taylor vão investir pesado no World of Wine, um projeto que une turismo e cultura.






O grupo português The Fladgate Partnership, dono do Porto Taylor, entre outras coisas, vai investir cerca de 100 milhões de euros num projeto maravilhoso.



O World of Wine, promete ser uma verdadeira Disneylandia para o amante do vinho.
O espaço será dividido por temas: Wine Experience, Cork Experience, Porto Through the Ages, Fashion & Design Museum e The History of Drinking Vessels.





O espaço vai contar com a escola de vinho, 12 espaços de restaurantes, espaço de eventos, lojas... Enfim, uma verdadeira cidade do vinho.





Tudo isso numa área de 30 mil metros quadrados, num investimento de 100 milhões de euros.
A inauguração está prevista para junho de 2020 e espera inicialmente, contar com 560 mil visitantes por ano.





terça-feira, julho 25, 2017

Vallisto Malbec 2010 - Salta - Argentina








A Argentina não é só Mendoza e esse vinho é uma prova disso.
É um vinho elaborado pelo grande Marcelo Pelleriti junto com o Francisco Lavaque e o Hugh Ryman.
O vinho passou 1 ano em barricas de carvalho francês.
O vinho tem boa intensidade aromática, com uma fruta bem forte, um toque de geleia de amora, jaboticaba e ameixa seca e tâmara. Tem também um toque de tabaco.
Por alguns momentos lembra um pouco um Amarone.
A madeira está muito bem integrada.
Na boca seco, mas com uma sensação adocicada. É potente, encorpado, com os taninos granulados e sedosos.
Boa acidez, álcool comportado, mesmo tendo uma gradução acima dos 14 graus, intensidade de sabor e persistência.
O aroma fica na boca por um bom tempo.
O vinho está jovem.
Fica claro que é um vinho para envelhecer mais de 10 anos.
No final tem um toque de chocolate e de violeta.
Um super vinho!
A World Wine importou essa safra, no site aparece como produto indisponível.
Portanto, não sei o preço.
Nota: 91

segunda-feira, julho 24, 2017

Borgonha promete 4 cidades do vinho para 2019.






Os dirigentes da região da borgonha juram que o projeto é antigo, mas quem conhece a rivalidade entre Bordeaux e Borgonha sabe que a inauguração da Cité du Vin, em Bordeaux, no mínimo, apressou bastante o projeto bourguignon.
Talvez a diferença principal do projeto da Borgonha seja o foco mais preciso na região, enquanto a Cité du Vin em Bordeaux tem uma visão mais global da produção de vinho.
Na Borgonha não será uma Cité du Vin, serão 4.
3 estão no projeto do BIVB (Bureau Interprofessionnel des Vins de Bourgogne), que é o gabinete oficial que cuida dos interesses dos produtores da região.
Os 3 projetos serão divididos em 3 sedes: Beaune (côte-d'Or), Mâcon (Saône-et-Loire) e Chablis (Yonne).
A Cité de Macôn terá 1900 metros quadrados, com um investimento de 3,9 milhões de euros.
Em Chablis, a Cité ficará num antigo mosteiro ao custo de 2,2 milhões de euros.
Em Beaune a Cité terá um projeto urbanístico próprio, ocupando 15 hectares bem na saída da autoestrada A6.
Serão 3600 metros quadrados numa torre de 22 metros, numa operação de 10,5 milhões de euros.
No espaço terá uma loja, uma escola de formação superior, focada aos mercados de luxo, uma recepção capaz de receber 1200 pessoas, 2 restaurantes e um hotel 5 estrelas deve ser construído ao lado.






A quarta Cité (a do vídeo), não é ligada aos organizadores do BIVB, mas vai acolher a École des vins de Bourgogne, que é ligada ao BIVB e será dedicada também à gastronomia. Será a Cité de la Gastronomie et du Vin de Dijon, financiado pela prefeitura da cidade.
Serão 1700 metros quadrados com uma escola de cozinha, cinemas (2000 cadeiras), um hotel 4 estrelas com 125 quartos e um investimento total de 30 milhões de euros só na Cité.
É esperar e se programar para ver...

 
Design by Wordpress Theme | Bloggerized by Free Blogger Templates | hospedagem ilimitada gratis