Noticias, Entrevistas, Informações, Opinião
Tudo sobre o mundo do vinho!

quinta-feira, março 23, 2017

Visitei o enólogo Emmanuel Riffaud , do grupo Mouton Rotschild, no Chile.







O Emmanuel me falou dos projetos do Mouton Rotschild fora da França, como o Almaviva, Opus One e Escudo Rojo.
Conversa interessante!


quarta-feira, março 22, 2017

A história dos Rotschild no Chile. Visitei o Escudo Rojo.





Essa imagem da árvore genealógica da família Rotschild é interessante para explicar que quem investiu no Chile foi a parte da família que é dona do Château Mouton Rotschild e não a parte dona do Château Lafitte Rotschild (os dois de Bordeaux).
Os donos do Mouton Rotschild, Escudo Rojo e Almaviva estão na parte esquerda da árvore, onde está Nathan Rotschild.
Do lado direito, está James Rotschild, da parte da família dona do Château Lafitte Rotschild.
Visitei o Escudo Rojo, no Valle de Maipo, e conversei com o enólogo francês Emmanuel Riffaud.


terça-feira, março 21, 2017

Os vinhos naturais de Alain Ingles com a importadora Gavinho






O Alain Ingles levou vinhos fantásticos ao Encontro de Vinhos Rio de Janeiro. Todos naturais. Gostei especialmente do Cornas do Thierry Allemand e o Borgonha do Laurent Lignier. Super vinhos. Conversei com ele sobre o conceito da importadora.
http://gavinho.com.br/

 

Eduardo Zenker levou a Vinha da Loucura ao Encontro de Vinhos Rio de Janeiro





Faz tempo que eu queria encontrar o Eduardo Zenker. Desde que provei o Sui Generis Brasilis, em 2015 (http://www.papodevinho.com/2015/10/o-surpreendente-sui-generis-brasilis.html).
Um dia desses retribuo a visita.
Assista o meu papo com ele:


 

segunda-feira, março 20, 2017

Venda espetacular no Encontro de Vinhos Rio de Janeiro






Quem viu a outra postagem, lembra do Moacir.
Ele levou 50 caixas de vinhos eslovenos para vender no Encontro de Vinhos Rio de Janeiro.
Vamos ver o resultado?

Importador vende caixa 4000 reais nos primeiros 30 minutos de Encontro de Vinhos






A caixa é de uma vertical da Quinta do Fojo e o importador é o Tiago Soares da Jobtotal.
Prova que vinho bom se vende rápido...


O sucesso dos vinhos eslovenos no Encontro de Vinhos Rio de Janeiro






Antes da feira começar, confesso que me assustei com as 50 caixas de vinhos eslovenos que o importador da P&F Wineries levou para vender. Vamos conhecer melhor esses vinhos:




 

sexta-feira, março 17, 2017

A viña Maipo tem ótimos Syrah's, e uma paisagem incrível.






Só por essa série que gravei no Chile, já se pode ter uma ideia da diversidade que o país tem.
Na Viña Maipo, por exemplo, a Syrah é rainha.


quinta-feira, março 16, 2017

Rapa Nui na Viña Santa Cruz






Na Viña Santa Cruz, as origens do povo chileno estão representadas num museu no centro da cidade e também nesse museu ao ar livre no cerro chamán. Hoje vamos ver a cultura Rapa Nui, com os misteriosos Moais.




quarta-feira, março 15, 2017

Argentina e Brasil dominam o Top5 do Encontro de Vinhos Rio de Janeiro.





O Brasil levou na categoria espumantes com o Luiz Argenta Brut Rosé.
Completaram o top5, o português Terras do Demo, o Perini Rosé (Serra Gaúcha), o esloveno P&F Brut Sauvignon Blanc e o Miolo Millésime.




Entre os brancos o primeiro lugar ficou com o Viapiana Expressões Chardonnay, seguido pelo Circe Sauvignon Blanc (os dois brasileiro) e pelo português Cascas Douro. Mais dois brasileiros ficaram na quarta e na quinta posição: Dal Pizzol Chardonnay e o Alvarinho Quinta do Seival, da Miolo.




Na categoria tintos o argentino Vicentin Blend de Malbecs levou a melhor.
Na sequencia veio o brasileiro Pizzato Tannat Reserva eo chileno Tutunjian Single Vineyard Cabernet Sauvignon.
Mais dois brasileiros fecharam o top5: Perini Quatro e Torcello Tannat.


O Encontro de Vinhos acontece neste sábado, das 14 às 22 horas no Espaço MHS Eventos na Avenida das Américas, 3434 - Barra da Tijuca.
Ingressos no site: www.encontrodevinhos.com.br ou no local (no dia da feira).

fotos: Beto Acherboim

A Viña Santa Cruz tem o Cerro Chaman. Vinho, cultura, misticismo...





Imagina um unir cultura, vinho, história, tudo no mesmo lugar.
A paisagem do Cerro Chamán é o cenário para um mergulho nas culturas Mapuche, Tiahuanaco e Rapa Nui.


terça-feira, março 14, 2017

A bela Viña Santa Cruz, no Valle de Colchagua - Chile






No Vale de Colchagua, precisamente, Lolol, a Viña Santa Cruz tem museu, bons vinhos e uma paisagem maravilhosa. Na primeira parte, converso com o dono da casa, Emilio Cardoen Délano.



 

segunda-feira, março 13, 2017

Na última parte na Viña Maquis, fomos ao encontro dos rios Chimbarongo e Tinguiririca. Belas imagens!





O encontro dos rios Tinguiririca e Chimbarongo é um lugar bonito demais.
Um bom cenário para os excelentes Cabernet Franc da Viña Maquis.


sexta-feira, março 10, 2017

Viña Maquis e seu Corredor biológico - Valle de Colchagua - Chile






Localizada entre dois rios, a Viña Maquis tem corredores biológicos, com jardins cheios de ervas aromáticas e diferentes tipos de plantas.
Os vinhedos ficam ao lado.
Um lugar cheio de história.


quinta-feira, março 09, 2017

Visitei a Viña Maquis no Valle de Colchagua, Chile




A Viña Maquis está num terroir perfeito para a Cabernet Franc.
Tem história, bons vinhos e paisagem maravilhosa.
O enólogo Rodrigo Romero, contou um pouco da história da Maquis.


quarta-feira, março 08, 2017

Hoje vamos ver a vinícola holística da Viña Vik - O Hector Moya explica o que é isso.






No episódio de hoje, o Hector Moya explica o que significa ser a primeira vinícola holística do mundo.
Uma obra impressionante.

terça-feira, março 07, 2017

VIK Viña Holística - Os Vinhedos - Millahue - Chile






Visitei os vinhedos da Viña Vik com o sommelier Hector Moya.
A Vik se intitula Viña Holística.
No episódio de amanhã o Hector explica um pouco o que isso significa.



segunda-feira, março 06, 2017

Hotel Viña Vik - Enoturismo - Um dos hotéis mais espetaculares da América Latina.





Visitei a Viña Vik pela quinta vez.
Na primeira só haviam vinhedos e provei a primeira safra, na segunda fui gravar o documentário (Chile - Terroir, Personagens, Histórias, Vinhos...) e vi onde seria o hotel, Na terceira provei 2 safras diferentes e vi as obras do hotel, na quarta vi o hotel quase pronto, e dessa vez o hotel funcionando e impressionando.
Assista o vídeo com imagens maravilhosas e entrevista com o gerente do hotel.


sábado, março 04, 2017

Franceses estão criando vinhedos resistentes a doenças. Isso é bom?






O trabalho é do Instituto Nacional de (Recherche) Pesquisa Agronômica (INRA), da França.
Tudo começou depois que se deram conta de que 20% de todos os fungicidas usados na França vão para os vinhedos.
A ideia é criar variedades que resistam ao míldio e ao oídio, as duas principais doenças que atacam as folhas e os cachos.
Em 1970, um pesquisador do mesmo instituto criou uma variedade, chamada "Bouquet", que tinha um gene resistente a essas pragas.
Seguindo esse trabalho, no ano 2000, os cientistas usaram a "Bouquet" em cruzamentos com variedades dos Estados Unidos e da Ásia, criando assim variedades chamadas "Resdur" com 3 genes resistentes as mesmas pragas.
Hoje, essas variedades passaram apenas por 1 tratamento desde o ano 2000, enquanto as variedades normais, foram tratadas com fungicidas por 15 vezes.
Com mais conhecimento do que chamam genética molecular, os cientistas podem melhorar os brotos a cada geração.
A primeira geração de variedades criadas com essa tecnologia será inscrita no catálogo oficial e poderá ser comercializada na França.
Até 2023 serão cerca de 30 variedades novas.
Por enquanto as variedades não têm nome, só números.
As duas que serão inscritas em 2017 serão a J134 e a J58.
Muito difícil saber se isso é bom ou ruim.
Não usar pesticida ou fungicida é excelente, mas criar esses frankensteins é que eu não sei.
É diferente de um simples cruzamento, é uma modificação genética.
Muita gente consegue produzir boas uvas com outros métodos, sem usar nenhum químico e sem mexer com a natureza.
É esperar pra ver.
Fonte: La Revue du Vin de France

sexta-feira, março 03, 2017

Como se faz vinho? Viña Miguel Torres - Parte 4/4 - Compromisso social






Na última parte na Miguel torres Chile, Jorge Rojas Días mostra os Ovos de Cimento e fala do compromisso social e com o meio ambiente, que a Miguel Torres pratica em todas as suas vinícolas.


quinta-feira, março 02, 2017

Como se faz vinho? Viña Miguel Torres - Parte 3 - As barricas






Seguindo com a série gravada no Chile, o enólogo Jorge Rojas Días, da Miguel Torres, vai mostrar a importância das barricas na produção de vinhos.


quarta-feira, março 01, 2017

María - Alonso del Yerro - 2005 - Ribera del Duero - Espanha




É um super vinho!
Melhor falar logo de cara.
Quando se prova um grande vinho da Ribera del Duero, o nariz já mostra exatamente o tamanho da brincadeira.
100% Tempranillo.
Passou 18 meses em barricas novas de carvalho francês.
Esse tem a cor rubi, sem nenhum reflexo dos 12 anos de vida.
É jovem no nariz e na boca.
Às cegas eu não diria nunca que é um vinho de 2005.
As notas de evolução ainda não vieram e quando vierem... Vai ser de arrebentar...
É intenso aromaticamente.
Notas de compota de morango, cereja em calda, amora...
Violeta, chocolate...
Tostado...
Aiaiaiaiai...
Na boca é seco, encorpado, taninos com granulação fina e textura macia, acidez bem equilibrada com os taninos.
Sabor intenso repetindo as notas sentidas no nariz com leve toque de café.
Apesar dos 14,5% de álcool não tem nenhuma sensação desagradável. É equilíbrio puro.
Persistente.
Nota: 97

sábado, fevereiro 25, 2017

Cientistas se reúnem na Europa para que todo o bloco (UE) considere o vinho alimento.





Para os cientistas reunidos, o vinho é um elemento saudável da alimentação.
A reunião foi promovida nos dias 16,17 e 18, pela FIVIN (Fundación para la Investigación del Vino y la Nutrición), em La Rioja (Espanha).
Profissionais da ciência e da medicina apresentaram as mais novas pesquisas sobre os benefícios do vinho para a saúde.
No encontro, chamado Wine & Health, estavam 36 especialistas de diversos países, como Estados Unidos, Austrália, França, Itália, Alemanha, África do Sul e Reino Unido.
Entre as conclusões, destacaram o consumo moderado de vinho como proteção contra a diabetes, doenças que deterioram a capacidade cognitiva e proteção do intestino.
Além de proteger o sistema cardiovascular, proteger contra o câncer, contra o Alzheimer e contra a obesidade.
Os cientistas também destacaram, que o consumo diário é muito mais eficiente que o esporádico, sempre lembrando é claro que as pesquisas tratam de consumo moderado.
Também estavam presentes membros da Wine in Moderation, Organización Interprofesional del Vino Español, Federación Española del Vino e Fundación Dieta Mediterránea.
Entre a comunidade científica, estavam a Universidade de Barcelona, o INSA instituto de pesquisa em nutrição e segurança alimentar, o Centro de Investigación Biomédica en Red e a equipe de Fisiopatologia da Obesidade e Nutrição do Instituto de Saúde Carlos III.
A presidente do comitê científico foi a Dra Rosa María Lamuela, do Departamento de Nutrição, Ciências da Alimentação e Gastronomia, e da Faculdade de Farmácia e ciências da alimentação da Universidade de Barcelona.
O principal objetivo da reunião é o reconhecimento do vinho como alimento em toda a União Europeia.

sexta-feira, fevereiro 24, 2017

Como se faz vinho? - Viña Miguel Torres, Chile - Parte - 2



Seguindo o que mostramos ontem, o enólogo Jorge Rojas Díaz, explica como funciona a vinificação.


quinta-feira, fevereiro 23, 2017

Como se faz vinhos Brancos? - Viña Miguel Torres - Curicó, Chile





Visitei a Miguel Torres, em Curicó, no dia em que vinificavam um Chardonnay.
O enólogo Jorge Rojas Díaz explica o processo como poucos.
Uma verdadeira aula.


quarta-feira, fevereiro 22, 2017

Tatay Cristóbal 2011 - Carménère - Valle de Aconcagua - Viña Von Siebenthal - Chile





Mais um super carménère que provei no Chile.
Em 2011 só foram produzidas 3371 garrafas.
90% Carménère e 10% Petit Verdot.
Passou 27 meses em barricas novas de carvalho francês.
A cor é rubi, intenso.
No nariz tem boa intensidade aromática, mesmo sendo bastante jovem.
Notas de mirtilo, alecrim, framboesa, café...
Na boca é seco, encorpado, taninos macios bem presentes.
Tem boa acidez, dando frescor e fazendo salivar não deixando espaço para os taninos secarem a boca.
O álcool está bem equilibrado, sem nenhuma ponta.
Sabor intenso, repetindo as notas sentidas no nariz e com um toque de café no final.
Vinho persistente. Muito persistente.
Vinho jovem, de guarda, deve evoluir muito por pelo menos 10/20
anos.
Nota: 94
Importador: Wine Lovers (embora o vinho ainda não esteja no site e por isso não sei o preço).
www.winelovers.com.br

Uma conversa com Mauro von Siebenthal, no Valle de Aconcagua





Mauro fala sobre o mercado, leveduras, produtos químicos, terroir, grandes vinhos e a relação com a natureza.
Uma boa conversa!


terça-feira, fevereiro 21, 2017

Mauro von Siebenthal. O advogado suíço que virou produtor de vinhos no Chile.




Mauro colecionava vinhos e trabalhava como advogado. Conheceu o vale do Aconcagua e resolveu deixar tudo pra trás para produzir vinhos.


Queda na produção mundial de vinhos em 2016.




A produção de vinhos foi a mais fraca dos últimos 20 anos.
O principal motivo foi o clima, mas talvez não seja só isso.
Dos 7,4 milhões de hectares de vinhedos do planeta saíram 259 milhões de hectolitros de vinho.
5% a menos que em 2015.
Na América Latina, a queda é creditada ao "El Niño".
A Argentina produziu 35% menos, o Brasil 50% menos e o Chile passou de 5º produtor mundial para a nona posição.
Na África do Sul, um longo período de seca fez a produção cair 19%.
Quem ganhou com a queda sul-americana foi a China, que se tornou o sexto país que mais produziu vinho em 2016 mesmo sem aumentar a produção em relação a 2015.
Na Europa, a França produziu 12% menos, graças ao clima.
A Itália, menos afetada, teve uma pequena queda, de 2% e a Espanha foi na contra mão e aumentou sua produção em 1%.
Outros que aumentaram a produção, foram Estados Unidos (+2%) e Austrália (+5%).
Os dados são da OIV, que é quem regula cientificamente e tecnicamente a produção mundial de vinho.
A OIV constatou também que entre 8 e 12% da produção mundial, vem de vinhedos orgânicos ou biodinâmicos.
Um crescimento que mostra uma tendência importante para o futuro da viticultura mundial.

segunda-feira, fevereiro 20, 2017

Kai 2014 - Carménère - Valle de Aconcagua - Viña Errazuriz - Chile



Está entre os ícones da Viña Errazuriz e é o único ícone elaborado com a Carménère.
Este 2014 tem 95% Carménère e 5% Syrah.
Passou 22 meses em barrica francesa nova.
A cor é rubi, concentrada e profunda.
No nariz tem boa intensidade aromática (média+), apesar de jovem.
Notas de cereja, mirtilo, amora, torrefação e um toque de pimenta.
Na boca é encorpado, seco, taninos macios e acidez em bom equilíbrio com os taninos.
Apesar dos 14,5% de álcool, ele não se atreve muito.
Sabor intenso, repetindo as notas sentidas no nariz, ganham um sabor de chocolate amargo e um toque terroso.
Vinho persistente.
Nota: 93
Preço: 727 reais no importador (Safra 2008): https://www.vinci.com.br/p/vinho/kai-carmenere-2008-errazuriz-0774080

 
Design by Wordpress Theme | Bloggerized by Free Blogger Templates | hospedagem ilimitada gratis