Jean cuidou do filho mais forte. ~ Papo de Vinho
Noticias, Entrevistas, Informações, Opinião
Tudo sobre o mundo do vinho!

sexta-feira, agosto 03, 2012

Jean cuidou do filho mais forte.

-->

Jean cuidava daquele vinhedo há 22 anos. Desde que tinha 12 anos, quando o pai recebeu as terras com aquelas plantas de Merlot recém plantadas como parte do pagamento de uma dívida. Virou um vinhedo forte, sadio, bonito, bem cuidado. Não existia feriado.  Dia, noite, orações contra geadas, contra chuva forte fora de época, tratamentos naturais contra doenças e muita dedicação.  Michel, o pai de Jean era dono do vinhedo e como o trabalho do filho prosperava e as garrafas eram cada vez mais disputadas resolveu investir em um outro vinhedo.  O vinhedo era mais novo, bem cuidado, bonito também. Jean ficou feliz logo que o negócio foi fechado e correu para os novos vinhedos para aplicar os seus conhecimentos.  O tal Savoir Faire. Como se estivesse tratando de uma criança, Jean cuidava deles . Passava dia e noite cuidando dos dois vinhedos. Como se fossem filhos, Jean no começo dizia que gostava dos dois da mesma forma, mas não conseguia esconder que o que ligava ele aos vinhedos antigos era ''forte''. Aquele começo de Verão era uma mistura estranha de felicidade e algo que Jean não conseguia prever, mas incomodava. Talvez o aviso da vizinhança e a previsão da meteorologia fossem mais do que um alerta. Quando se falou em granizo no Sudoeste da França,  todos tentaram o que podiam para evitar ou amenizar os estragos. Aquelas malhas anti-granizo que se usa no novo mundo são mais raras pelos lados de Bordeaux. Mas pensa que não fazem simpatias, rezas especiais ou outro tipo de superstiçãoo? Engano. Tudo foi feito, por Jean e pela vizinhança, mas... Ela veio forte, justamente em cima dos vinhedos de mais de 20 anos. Os galhos grossos eram fortes, sofreram menos com o impacto das pedras.  cuidar dos vinhedos novos, mas sem nenhuma perspectiva de colheita. As vinhas velhas mostravam as folhas, galhos, cachos... A colheita foi excelente, com uvas boas, inacreditáveis. Os vizinhos perderam tudo, mas também não trabalharam nem um décimo do que trabalhou Jean. Dois anos depois la estavam as garrafas da melhor safra da vida dele quando Guilhem, um dos vizinhos, disse: Essa foi a maior sorte da tua vida! -Pode ser. Sorte de aprender a trabalhar, de acreditar no impossível e vinhedos mais novo recebeu poucos minutos de granizo mas os galhos finos e frágeis não aguentaram o peso das poucas pedras. Jean corria de um lado pro outro como um louco e tentava proteger os quase 10 hectares de vinhedos com o próprio corpo. Era insano. Era como um pai se atirando na frente de um filho para protegê-lo de um impacto qualquer. O cansaço era enorme, mas dormir nem pensar. Nem bem a chuva terminou e Jean já estava consertando tudo que podia. Com o passar dos dias esqueceu completamente do vinhedo mais novo que não tinha mesmo chance de reagir e cuidou tanto das vinhas mais velhas que os sinais do granizo eram quase imperceptíveis. Os galhos grossos, dizia ele. Aos poucos Jean voltou a cuidar dos vinhedos novos, mas sem nenhuma perspectiva de colheita. As vinhas velhas mostravam as folhas, galhos, cachos... A colheita foi excelente, com uvas boas, inacreditáveis. Os vizinhos perderam tudo, mas também não trabalharam nem um décimo do que trabalhou Jean. Dois anos depois la estavam as garrafas da melhor safra da vida dele quando Guilhem, um dos vizinhos, disse: Essa foi a maior sorte da tua vida! -Pode ser. Sorte de aprender a trabalhar, de acreditar no impossível e saber que não existe safra ruim, existe safra de enólogo e viticultor preguiçoso...

0 comentários:

 
Design by Wordpress Theme | Bloggerized by Free Blogger Templates | hospedagem ilimitada gratis