Noticias, Entrevistas, Informações, Opinião
Tudo sobre o mundo do vinho!

terça-feira, outubro 22, 2013

Provei às cegas: Vick, Almaviva e 100 Barricas de Chile




Primeiro preciso explicar o projeto 100 Barricas de Chile.
Rafael Prieto, o mesmo que criou o projeto Top Winemakers e também aqueles vinhos 5x20, quando 5 enólogas mulheres fizeram um vinho e 5 enólogos fizeram outro, resolveu mostrar o Terroir do Chile em 100 Barricas.
Todas as regiões do Chile estão representadas com ao menos uma barrica.
100 vinícolas enviaram uma barrica de um vinho para o corte.
No corte 93% Cabernet Sauvignon, 5% Syrah, 1% Carménère e 1% Carignan.
O resultado foi impressionante.
No nariz notas de cassis, cereja, canela, eucalipto...
Na boca é elegante, tem corpo médio para encorpado.
Os taninos são finos, macios.
A madeira está muito bem integrada e o final é longo. 
Nota 93/100



O Almaviva tem o nome e o status de commodities.
Esse 2010 não foi das melhores safras.
No corte 61% Cabernet Sauvignon, 29% Carménère, 9% Cabernet Franc e 1% Petit Verdot.
Era o vinho mais fechado da prova. Pensei que esse fosse o 100 barricas enquanto decifrava os aromas e a complexidade dos outros dois vinhos.
O vinho foi decantado violentamente pelo sommelier e garimpeiro de preciosidades, Ariel Perez.
Depois de um bom tempo agitando na taça, apareceram as notas florais, cassis, café, tostado, cacau, especiarias...
Na boca é potente, intenso, fresco, elegante, taninos finos e equilíbrio perfeito.
Nota: 93/100



O Vik foi o primeiro a ser provado e imaginei mesmo que fosse ele.
Provei o 2009, já havia provado esse 2010 e provei uma amostra de barrica de um possível 2011.
A Viña Vik é um projeto milhonário do investidor Alexander Vik, com a assinatura de Patrick Valette, antigo dono do Château Pavie.
No nariz o vinho é bastante fresco, tem notas de eucalipto, frutas vermelhas e negras, chocolate, cravo e violeta.
Na boca aparecem notas minerais, terra, baunilha.
O vinho é super elegante, bem equilibrado, taninos macios, finos e um final longo. Muito longo.
Só 30 mil garrafas foram produzidas.
No corte 56% de Cabernet Sauvignon, 32%  Carménère, 5% Cabernet Franc, 4% Merlot e 3% Syrah.
Nota 94/100 - o melhor do dia.

Todos os vinhos custam acima de 500 reais. 
O Vik é dificil de achar e o 100 barricas, por enquanto, não está no mercado.

Reveja a entrevista de Patrick Valette sobre o Alexander Vik e o início do projeto:



0 comentários:

 
Design by Wordpress Theme | Bloggerized by Free Blogger Templates | hospedagem ilimitada gratis