Noticias, Entrevistas, Informações, Opinião
Tudo sobre o mundo do vinho!

quinta-feira, novembro 05, 2015

Vertical do Châteaux Valandraud promovida pela Revista ADEGA, foi inesquecível.



Quando provo um Premier Grand Cru Classé de Bordeaux (o topo da pirâmide dos vinhos mundiais),  sinto uma sensação de que nada mais importa. Que aquele momento pode ser único e que se esses gurus de plantão que tentam acertar o fim do mundo, poderiam acertar nesse momento sem nenhum problema.
A história de Jean-Luc Thunevin, contada pelo Juan Carlos Ferreira (postado no começo da semana), chega a ser impressionante.
Mostra que os grandes feitos de marketing não foram criados nas pranchetas e na maioria das vezes não foram pensados como marketing.
Posto de novo para quem não sabe da história:




Começamos a prova com o 2004.
75% Merlot e 25% Cabernet Franc.
No nariz boa intensidade aromática.
Elegante demais.
Notas de cereja, cassis, floral, cogumelo, terra, chocolate...
Na boca é seco, elegante demais. Taninos super macios, acidez equilibrada com os taninos, corpo médio+, o álcool se sente bem suave, sem nenhuma ponta, nada sobrando, nada faltando.
Muito boa intensidade de sabor.
As notas do nariz se repetem na boca, mas numa harmonia fora do comum, agora com um toque de alcaçuz e de café.
Persistência loooonnnga...
Ainda jovem.
94



O 2005 estava ainda melhor.
O corte é o mesmo 75% Merlot e 25% Cabernet Franc.
No nariz mais intnsidade. As notas de amora, cassis, ameixa... Se misturam com chocolate, café... Tudo ao mesmo tempo, tudo em harmonia.
Na boca a mesma classe.
Taninos macios e extrutura poderosa.
O corpo é médio+.
O sabor intenso, com a fruta e o café sobressaindo.
Final tão longo quanto o vinho anterior.
Ainda jovem.
Deve envelhecer com muita classe.
Nota: 97



O 2006 foi elaborado somente com a Merlot.
No nariz as frutas como o cassis, groselha, framboesa e cereja.
E notas de café, floral e grafite.
Na boca o vinho mostra que eles têm mesmo o segredo da elegância.
Ou será que o segredo é tão óbvio assim: Bordeaux.
Tem elegância e potência.
Tem taninos, mas são sedosos, finos...
Tudo no lugar.
Sabor intenso, repetindo as notas sentidas no nariz.
No final as notas de café se destacam.
Persistente.
Jovem.
Nota: 93



O 2009 também tem outro corte.
85% Merlot e 15% Cabernet Franc.
No nariz, muita intensidade e complexidade.
Notas florais, alcaçuz, cassis, tabaco...
Delicioso!
Na boca é um pouco mais encorpado que os outros, mas parece ainda mais elegante.
Os taninos não agridem nem uma criança.
Macios, sedosos, mas presentes.
A acidez chega e equilibra tudo, deixa tudo orquestrado.
No sabor a fruta domina.
O vinho está bastante jovem.
Final longo.
Deve envelhecer maravilhosamente.
Nota: 97



O 2010 era uma criança.
No corte: 90% de Merlot e 10% de Cabernet Franc.
No nariz (um pouco fechado) notas florais de violeta, acacia...
Frutas vermelhas e um toque terroso.
Na boca é potente, taninos macios, com a mesma textura sedosa.
Muito bem equilibrado.
Talvez seja a grande compra para quem gosta de guardar os vinhos (no mínimo 10 anos).
No sabor se destaca cereja e alcaçuz, somando com as notas sentidas no nariz.
Final longo.
Vinho jovem.
Nota: 94/100

Os vinhos do Château Valandraud são importados pela Casa do Porto:

0 comentários:

 
Design by Wordpress Theme | Bloggerized by Free Blogger Templates | hospedagem ilimitada gratis